• "Um blog do cacete!" - Folha de São Paulo

  • "A resolução que recomendo para a leitura deste blog é 1024 x 768." - Stevie Wonder
  • Powered by Blogger

    quinta-feira, janeiro 12

    A pedofilia forçada dos oceanos

    Este peixe que aqui vêem é uma garoupa. A garoupa é um peixe como muitos outros. Mede quase 4 metros de comprimento, pesa quase 400 kg, e possui uma data de tácticas de caça que lhe garantem a sobrevivência, tais como a capacidade de mudar de cor, uma boca grande que aspira a água à sua frente e engole peixes mais fugidios, e a cara de estúpido em geral, que afasta os poucos predadores que tentam atacar um peixe deste tamanho. No entanto, e é por isso que escrevo, este habitante dos oceanos tem uma característica bastante peculiar: todas as garoupas jovens são fêmeas. Só do sétimo ao décimo ano das suas vidas é que as garoupas se transformam em machos. A mãe Natureza, burra velha, sabiamente desenvolveu esta capacidade neste peixe, porque desta forma garante que só os indivíduos que forem hábeis o suficiente para sobreviver até aos sete anos têm a possibilidade de passar os seus genes à geração seguinte.

    Ora, isto levanta uma questão interessante. Todo este processo de mudança de sexo implica que os adultos desta espécie - todos eles machos - apenas têm à sua disposição, para acasalar, fêmeas jovens e na idade do auge sexual. Esta situação cria toda uma panóplia de expectativas curiosas: como aquela em que uma garoupa, durante toda a parte da vida em que é macho, está rodeada de fêmeas única e exclusivamente no clímax da juventude, dos looks, e da actividade sexual. Imaginem os meus leitores machos que, independente de serem vintões, trintões, ou cinquentões, todas as fêmeas que vos rodeiam são pitas taradas sem machos da sua idade. Quando soube disto, comecei a desejar, com força, ter guelras, tal como vocês estão também, decerto.

    Mas lamento desiludir-vos. O esperança média de vida de uma garoupa são 70 anos, quase o mesmo que nos seres humanos. O que significa que todos os machos se vêm limitados a uma oferta de fêmeas até, no máximo, dez anos de idade. Apenas poderão praticar o coito com criancinhas. Isto, claro, reveste-se de profundas questões morais e quiçá legais, embora não conste nos autos da PJ algum caso desta natureza. Mas nos dias que correm, todo o cuidado é pouco com essas coisas. É desta forma que concluo tristemente que existe pedofilia também nos oceanos, e que já não ficarei tão triste quando um petroleiro se afundar. Ser uma garoupa não é tão bom quanto parecia no início.

    Aliás, é pior ainda: é que a maioria dos machos já apanharam com ele quando eram novos.

    Comentários a "A pedofilia forçada dos oceanos"

     

    Blogger rhhu disse ... (11:52 da manhã) : 

    Não deve ser psicologicamente fácil a adaptação a ser-se macho depois de anos como fêmea, ainda por cima por imposição. Acompanhamento psicológico à garoupada toda é um negócio florescente.

     

    Blogger Maria das Flores. disse ... (4:01 da tarde) : 

    'A garoupa é um peixe como muitos outros.' Ora parece-me que provaste que nao, que é preciso ter muita guelra para se ser garoupa, tadinha. E 29 euros o quilo. Nada como os outros.

     

    Comentar